Desci do muro

A minha convidada de hoje é minha amiga Daiana, ela escreveu um pouco sobre como foi sua vida. Ela conta que nasceu e cresceu na igreja, mas nunca conseguiu de fato se relacionar com Deus. Até que Deus usou um ponto fraco, o relacionamento com outras pessoas, para se apresentar a ela. A medida que ela aprendia a se relacionar verdadeiramente com o outro (compartilhar problemas, medos, anseios, dentre outros) ela foi aprendendo a se relacionar com Deus também. Assim, ela conseguiu se encontrar com Cristo e tem aprendido dia após dia como manter esse relacionamento com ele. Que você seja abençoado nessa leitura.

Quando fui convidada para escrever pensei em recusar. Eu gosto muito de falar, mas passar as coisas para o papel é desafiador para mim. Pensei também que eu não tinha muito para contar, pois minha história é muito parecida com a de um monte de gente: pessoas que passam anos (ou a vida toda) na igreja sem jamais terem vivido experiências com Jesus. Hoje eu creio que isso pode ser mudado e é sobre isso que quero falar…

Meu nome é Daiana Berbert Lopes, tenho 29 anos, sou casada e tenho 2 filhos. Sou nascida e criada na igreja, me batizei ainda bebê e frequentei a igreja até meus 14 anos. Eu participava de todos os eventos e atividades. A igreja era algo muito prazeroso para mim. A maior parte das pessoas era da minha família e quem não era parecia ser. Lembro de cada um com muita saudade.

Quando eu fiz 13 anos, meus pais se separaram. Além disso, tiveram muitos acontecimentos ruins na igreja. Minha família se afastou. Minha mãe foi parando de ir aos poucos. Meu pai mudou completamente, um dia era diácono (me lembro até hoje dos ensinamentos dele para mim e minha irmã) no outro saiu de casa e se desviou. Ele até tenta retornar, mas ainda não conseguiu.

Com 14 anos eu conheci meu marido. Ele não era cristão e isso, junto com os acontecimentos na minha casa, fez eu me distanciar ainda mais da igreja. Eu ainda me lembro da última vez que fui lá, participei de uma apresentação dos adolescentes com a música “Aclame ao Senhor”. Depois disso, fiquei 10 anos afastada. Eu me sentia em cima do muro, eu não fui “para o mundo”, mas não estava em comunhão. Eu nunca me esqueci de Deus (os ensinamentos da infância me faziam desejar uma família firmada em sua palavra), eu tinha o desejo de voltar, mas não conseguia.

charge-marina-em-cima-do-muro

Até que um dia fui à um culto com minha irmã, onde eu senti algo muito diferente, algo que nunca tinha sentido antes (hoje eu sei que era o Espírito Santo iniciando uma obra em mim). Eu sentia como se Jesus estivesse me chamando. Entretanto, eu continuava lutando contra.

Nesse período meu marido começou a fazer amizade com uma pessoa cristã, que falava de Jesus para ele. Ele ficou interessado e me chamou para ir a um culto. Nós fomos e começamos a frequentar. Meu primeiro filho nasceu e foi apresentado a Deus nessa igreja, mas com o tempo paramos de ir (culpa minha mesmo). Isso me fazia muito mal, eu me perguntava: “Porque eu, que nasci na igreja, que sabia o que era certo e errado, não conseguia me relacionar com Deus?”

Entretanto, um dia alguém bateu na minha porta. Era minha prima Priscila e meu primo Wesley. Ela chegou dizendo que quando estava saindo da igreja sentiu uma vontade enorme de falar comigo. Eu abri meu coração para ela, contei o que estava acontecendo e disse que eu queria Cristo, mas que eu não conseguia me relacionar com ele. Ela me convidou para visitar a igreja dela. Nós fomos uma vez e estamos lá até hoje. Ano passado eu e meu marido nos batizamos. Posso dizer que hoje eu conheço Jesus e aceito que ele direcione a minha vida. Sei que não foi por vontade própria que a Priscila foi até minha casa, mas por orientação do Espírito Santo.

14102626_1671563113164482_1048252093607975690_n

Hoje nós temos uma vida transformada por Cristo. Ainda temos muitos problemas e dificuldades, mas temos a palavra do Senhor como base em nossa vida. Se somos santos? Nem perto disso! Mas lutamos diariamente para um dia sermos santos ao lado de Jesus.

Como minha vida mudou?

Eu era uma pessoa muito orgulhosa (ainda luto contra isso), sempre fui de falar muito, mas nunca gostei de conselhos e nem que os outros opinassem na minha vida. Entretanto, Deus quebrou isso e colocou pessoas no meu caminho para eu me relacionar e me ajudar. Isso foi o que me permitiu conhecer realmente a Jesus Cristo.

Tudo começou com o Gil (aquele amigo que falou de Jesus para meu marido), ele fez com que meu esposo se interessasse pela palavra de Deus. Depois, Priscila e Wesley que bateram em minha porta. Em seguida, a Aline (a blogueira), que me discipulou por quase 1 ano. Através dos nossos encontros eu aprendi muitas coisas. Uma delas, que a religiosidade não faz nada em nossas vidas, quem faz é o Espírito Santo, que nos transforma e faz com que nasçamos de novo. Isso é uma batalha diária, precisamos confiar em Deus e deixar ele agir em nossa vida.

Um estudo que fiz no discipulado com a Aline e que sempre tento me lembrar foi uma comparação sobre Nicodemos e a mulher Samaritana. Ele, um homem religioso e conhecedor da palavra, mas que não conseguia entender como nascer de novo, em comparação a ela, uma mulher pecadora que, sem nenhum “pré-conceito”, aceitou o amor de Jesus.

Aprendi que devemos sim ser ativos na igreja, ela é a fogueira que mantém nossa brasa acessa, mas não posso me esquecer que necessito ter intimidade com Deus e que, para isso, preciso me relacionar diariamente com ele. Nós devemos olhar para Deus e ver nele o nosso melhor amigo.

Temos que procurá-lo a todo instante. Agradecê-lo em todos os momentos e levar nossas angustias e fraquezas a ele.

Agora, nós temos dois novos discipuladores, os amigos Du e Eliene. Eles nos ajudam compartilhando suas histórias de vida e os ensinamentos que recebem de Deus.

Eu falei com a Aline que não tinha testemunho, que eu não era “ex nada”, mas entendi que eu sou uma “ex perdida”, que fui encontrada por Jesus devido sua misericórdia. O sangue na cruz foi por mim e por você.

2 comentários em “Desci do muro

  1. Só emocionada, pq amo demais essa família e vejo o quanto Deus tem trabalhado na vida deles. O maior privilégio do ser humano é reconhecer q precisa ser tratado por Deus, e isso acontece à medida q matamos o nosso orgulho e vivemos na total dependência Dele. Que Deus os guarde cada dia!

    Curtir

  2. Impossível conter as lágrimas! Te amo minha prima, amiga e irmã em Cristo. Deus continue abençoando sua vida, sua família e seus momentos de intimidade com Ele.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s