Cinquenta tons de LIBERDADE

“Cinquenta tons de liberdade” está em cartaz em nos cinemas é o último filme da trilogia “Cinquenta Tons”, que conta a história de amor entre um homem, bonito e rico (Sr. Gray) e com uma mulher simples e pobre (Ana). O conflito da história é que Gray só consegue ter prazer sexual quando age como um “dominador” e para isso, precisa que regras sejam cumpridas. A questão do primeiro filme é se Ana, vai aceitar fazer um contrato concordando as regras de Gray.

Inicialmente Ana aceita o contrato, e eles começam o que muitos têm chamado de “o conto de fadas moderno”.

Gray era um homem com um passado perturbador. Foi abandonado pelos pais e quando adotado foi abusado. Por isso, ele só aceita ter relação sexual quando ele é “dominador”, usando instrumentos sadomasoquistas na mulher, que não pode fazer nada sem sua autorização.

Eu não estou aqui para dizer que fantasias sexuais são erradas.  O que podemos fazer entre 4 paredes? Tudo, desde que não inflija dois princípios: a palavra de Deus e a vontade do outro.

Nós podemos fazer tudo aquilo que somos livres para não fazer. “Foi para liberdade que Cristo nos libertou.” Gálatas 5:1

No caso do Gray, ele só conseguia se relacionar daquela forma, o que é um problema. Em Cristo, nos temos liberdade de escolha e por termos o Espírito Santo em nós, escolhemos não fazer algumas coisas. Mas, quando não conseguimos dizer “NÃO” para algo é porque vivemos uma falsa liberdade.  

No segundo filme da trama o casal principal se acerta sexualmente, ambos sedem um pouquinho e eles vão se ajustando.  Só que começam a viver outra prisão, o passado. Gray ainda estava ligado a outras mulheres que tentam para atrapalhar o romance. É óbvio que isso iria acontecer, quando você não resolve questões do passado antes de iniciar um novo relacionamento, você acaba levando os “ex” para o relacionamento atual.

O que acontece quando duas pessoas se relacionam sexualmente?

  • Eles se tornam um.

E quando eles se separam?

  • Elas ficam feridas e cada um fica com um pedacinho da alma do outro.

Imagine duas folhas de papel A4, uma azul e outra rosa, então você cola uma na outra. Quando você tenta separá-las o que vai acontecer? Elas vão rasgar, vão ficar cheias de buraquinhos e um pouco da folha azul ainda vai ficar colada na rosa e um pouco da rosa na azul. É isso que acontece com a nossa alma a cada relacionamento rompido.

Imagine recolar e separar a folha rosa em uma folha verde e depois em uma folha amarela. Consegue imaginar como fica alma dessa pessoa? Ela nunca terá liberdade para se envolver de forma saudável com outra pessoa até se render a Cristo.

Como resolver isso? Por meio do arrependimento e confissão. Ao fazer isso somos curados e restaurados. Jesus te dará uma folha nova.

O livro de Oséias conta isso. O profeta era casado com uma adúltera que o Senhor levou ao deserto, lá ela teve um encontro com o Ele, que restaurou sua vida. Quando ela volta para casa, Deus manda Oséias “despojar” sua esposa. A palavra “despojar” significava “tirar a virgindade”, ela foi completamente restaurada.

No terceiro filme da série estava tudo bem. Um casamento dos sonhos, lua de mel num paraíso, passeio de jatinho, carros luxuosos, mansões como presente, viagens…

ows_151811359219150

Mas, contrastando com o título do filme, eles não ainda não tinham liberdade. Estavam na prisão do dinheiro.

O tempo todo estavam cercados por seguranças e ameaças, faltava paz.  Além disso, o filme retrata um marido controlador e uma esposa insubmissa, ela faz tudo que ele manda não fazer e nunca se dá bem.  Muitos princípios bíblicos quebrados.

O grande problema nessa história é que mulheres do país todo, em sua maioria, casadas e com filhos, lotam os cinemas com suspiros por um filme cujo casal principal não tem liberdade.

Esse post não é uma crítica ao filme, acho que vocês perceberam que eu assisti todos os três. É apenas um alerta para que você, que acha a história deslumbrante e se encanta com o Sr. Gray, saiba que a liberdade, prazer e paixão que esperamos não está em nada do que o filme mostra, mas sim em viver um relacionamento segundo aquilo que o Senhor nos orienta em sua palavra. Nossos relacionamentos devem estar firmados em Cristo. Pois é assim, que viveremos o que há de melhor nessa vida!   

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s