Dons do Espírito: variedade e interpretação de línguas

Oi gente, tudo bem? Hoje vamos continuar nossos estudos sobre os dons espirituais falando sobre os dons de variedade de línguas e de interpretação de línguas (1 Coríntios 12:10), para acessar outros estudos sobre esse tema, clique aqui!

Para entender melhor sobre os dons de variedade  e interpretação de línguas, vamos estudar 1 Coríntios 14. Inicialmente vou destacar, três versículos.

  • “Pois quem fala em língua não fala aos homens, mas a Deus. De fato, ninguém o entende; em espírito fala mistérios.” 1 Coríntios 14:2
  • “Quem fala em língua a si mesmo se edifica” 1 Coríntios 14:4
  • “Quem profetiza é maior do que aquele que fala em línguas, a não ser que as interprete, para que a igreja seja edificada.” 1 Coríntios 14:5

No texto de 1 Coríntios 14:2 e 4 Paulo afirma que quem fala em línguas não fala a outro homem, mas a Deus, edificando a si mesmo. Entretanto no versículo 5 ele faz uma ressalva, “a não ser que as interprete”, essa ressalva muda o sentido dos primeiros versículos.

Nos dois primeiros versículos, ele diz que ninguém entende e o homem edifica a si mesmo, enquanto falava diretamente com Deus. Entretanto, quando alguém interpreta, todos entendem e são edificados. Quando isso acontece não é mais o homem falando com Deus, mas sim, Deus falando com os homens.

Desta forma, podemos perceber duas formas diferentes do falar em línguas. Vamos chamar de “linguagem de oração”, o homem falando com Deus e de “variedade de línguas”, o dom que age em conjunto com o dom de interpretação de línguas usados para que Deus fale com os homens (igreja).

É similar aos dons de sabedoria, fé e cura. Todo crente pode ter sabedoria, fé e pode operar cura, mas nem todos  são ungidos para isso. Todo crente pode falar em línguas, como uma linguagem de oração para edificação pessoal, mas nem todo crente será ungido pelo Espírito Santo para falar e interpretar as línguas para edificação da igreja.

Vamos estudar mais alguns versículos.

  • Portanto, as línguas são um sinal para os descrentes, e não para os que crêem; a profecia, porém, é para os que crêem, e não para os descrentes.” 1 Coríntios 14:22

Agora Paulo fala das línguas como um sinal aos descrentes, diferente do que ele já varia falado antes, que eram manifestações para quem já criam, ou seja, Paulo apresenta uma outra manifestação do falar em línguas, o que vamos chamar  de “sinal aos incrédulos”. Foi isso que aconteceu em Atos 2, Pedro falava de Deus para outras pessoas e essas pessoas entendiam tudo que ele dizia sem intérprete.

Resumindo, podemos apresentar três características de cada um dos modos de falar em línguas:

falar em línguas

Se você quiser saber mais ou entender melhor esses conceitos sugiro assistir esse vídeo: Língua dos Anjos – com Luciano Subirá, by JesusCopy, antes de continuar a leitura.

Todas essas formas de se falar em línguas são uma forma de linguagem sobrenatural. Entretanto, nosso estudo está focado no dom de variedade de línguas, que deve ser usado juntamente com o dom de interpretação de línguas.

Juntos, esses dons servem para a edificar a igreja, por meio de exortação e ensinamentos. Ambos os dons, variedade de línguas e interpretação, não acontecem no velho testamento, apenas no novo testamento.

O dom de variedade de línguas é dado pelo Espírito Santo e, assim como os outros dons, exige uma interação entre o homem e o Espírito. O Espírito impulsionará o homem a falar e interpretar as línguas e esse irá ou não responder ao seu estímulo. Diferente da “linguagem de oração” que está disponível ao homem quando ele quiser.

Quanto ao dom de interpretação, como vimos ele não se manifesta sozinho, apenas junto com o falar em línguas. A pessoa que tem esse dom dá o significado da mensagem, não é uma tradução onde a pessoa entende tudo que o outro esta falando, palavra por palavra, mas entende a mensagem que Deus quer passar.

A orientação de Paulo nos mostra que a pessoa que fala em línguas também pode interpretar o que está dizendo, isso seria o ideal. Portanto, pode acontecer de uma pessoa falar e outra interpretar ou uma mesma pessoa falar e interpretar.

Vamos continuar estudando alguns versículos para aprendermos como esses dons devem se manifestam.

  • “Se, porém, alguém falar em língua, devem falar dois, no máximo três, e alguém deve interpretar. Se não houver intérprete, fique calado na igreja, falando consigo mesmo e com Deus.” 1 Coríntios 14:27,28
  • “Portanto, meus irmãos, busquem com dedicação o profetizar e não proíbam o falar em línguas. Mas tudo deve ser feito com decência e ordem.” 1 Coríntios 14:39,40

Paulo orienta que apenas dois ou três devem falar em línguas em público, que deve ter interprete e também que deve servir para edificação da igreja, do caso contrário, serve para edificação pessoal e não precisa ser exposto em público. Quando não há interprete, a orientação da bíblia é que esse fale apenas consigo mesmo e com Deus (linguagem de oração). Por fim, Paulo termina dizendo que tudo deve ser feito com ordem e decência. Deus não irá provocar confusão durante seu culto, então tudo deve ser feito de forma ordeira e sem causar escândalo aos descrentes.

Se você gostou desse estudo deixe um “curtir” e compartilhe com os amigos. Um beijo e até mais!!!

Estudo elaborado com base no curso “Dons espirituais” do Pastor Luciano Subirá, disponível em: http://www.orvalho.com/.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s